Pular a navegação e ir direto para o conteúdo


Categorias

  • Nenhuma categoria

Blog

  • 28 out

    [em cartaz] Jauja

    [2ª semana] Jauja

    Prêmio da Crítica na Mostra Un Certain Regard, no Festival de Cannes

    Direção: Lisandro Alonso | Argentina, 2014, 108 min

    Sinopse: Os povos antigos diziam que Jauja era uma terra mitológica cheia de abundância e felicidade. Muitas expedições tentaram encontrar o lugar para comprovar a lenda. A única certeza que se tem é que todos os que tentaram encontrar este paraíso na terra se perderam pelo caminho.

    → de 29 de outubro a 04 de novembro
    (exceto 2ª, dia 02 de novembro)
    Horário: 19h
    Entrada R$ 10 / R$ 5 (meia entrada)
    Classificação indicativa: 16 anos

     

    Sobre o diretor
    Lisandro Alonso é argentino, nascido em 1975. Diretor, roteirista e produtor, estudou na Universidad de Cinema (FUC). Em 2001, ele fez sua estreia na direção com o longa-metragem La libertad, apresentado no 54º Festival de Cannes em Un Certain Regard. Em 2003 ele fundou em Buenos Aires o 4L, sua própria empresa de produção. Em 2004 e em 2006 ele voltou a Cannes. Com Los Muertos foi contemplado com inúmeros prêmios internacionais, incluindo o Prêmio CinemAvvenire e o prêmio Città di Torino no 22º Torino Film Festival e com Fantasma, ambos apresentados na Quinzaine des Réalisateurs. Jauja ganhou o Prêmio da Critica na Mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes, em 2014.

    Leia mais
  • 28 out

    [CineQuintal no 104] Retratos de Identificação

    [CineQuintal no 104] Retratos de Identificação

    Direção: Anita Leandro | Brasil/ RJ, 2014, 71 min

    Sessão comentada pelo crítico Victor Guimarães

    Sinopse: Dois ex-guerrilheiros que lutaram contra a ditadura militar no Brasil se deparam, pela primeira vez, com fotografias tiradas pela polícia no momento de suas respectivas prisões. O passado retorna, com uma história de crimes que ainda não foram julgados.

    → Terça-feira, 03 de novembro
    Horário: 21h
    Classificação indicativa: 12 anos
    Entrada gratuita, com distribuição de ingressos meia hora antes da sessão

    Leia mais
  • 28 out

    [Café104 apresenta] Gabriel Gontijo

    [Café104 apresenta] Gabriel Gontijo

    Gabriel Gontijo apresenta seu trabalho no Café104

    Mais uma vez, o Café104 ( Praça Rui Barbosa, 104 – Centro ) recebe um representante da nova safra de artistas mineiros. Desta vez, quem se apresenta é o cantor e compositor Gabriel GontijoO show acontece no sábado, 31 de outubro, a partir das 22h.
    O ingresso custa R$20,00
    .
    Maiores informações: 31 3222.6457

    Natural de Patos de Minas, Gabriel Gontijo teve o incentivo do pai desde menino e tomou a música como sua paixão. Logo cedo, aos 11 anos, ganhou seu primeiro violão e este foi o primeiro passo para abraçar a carreira.

    Mais tarde, no ano em que passou fora do Brasil,  aprendeu a mixar os sons da sua infância e apurar o seu gosto musical. Ícones como John Mayer, Jack Johnson, Matt Wertz, Corinne, Coldplay, The Strokes, Maria Gadú, Lulu Santos e Charlie Brown Jr são sua inspiração.

    Com a marca jovial dos que seguem seus sonhos e procuram criar uma visão própria do mundo, Gabriel lançou, em novembro passado, o álbum Desconexo. Em suas letras, o artista – que percorreu o Brasil em 2015, divulgando este trabalho – mantém o equilíbrio entre o simples e o profundo, relatando paixões, amizades, experiências e desilusões. De forma irreverente e desconexa, Gabriel encontrou sua forma de cantar a vida e é isso que o músico vai mostrar no show do Café104.

     

     

    Site: Gabriel GontijoMúsicas: https://soundcloud.com/gabrielgontijo Youtube: https://www.youtube.com/gabrielgontijoo

    SERVIÇO

    Gabriel Gontijo no Café104
    Sábado, dia 31 de outubro, às 22h
    Abertura da casa: 21h
    Ingressos a  R$ 20,00
    Maiores informações: 31 3222.6457

    Estacionamento conveniado – Park Box
    (Av. Santos Dumont, 218, Centro -
    R$ 5,00 – preço único)

    Café104
    Praça Ruy Barbosa, 104 – Centro – BH
    Tel. (31) 3222.6457

    Leia mais
  • 19 out

    [em cartaz] Que Horas ela Volta?

    [7ª semana] Que Horas ela Volta?

    Um retrato do Brasil dividido.
    As relações de poder e afeto entre patrões x empregados
    Novo longa de Anna Muylaert discute
    o velho e o novo Brasil
    através das figuras da empregada obediente
    e de sua filha libertária.

    Prêmio de Público no Festival de Berlim
    Prêmio de Atriz para Regina Casé no Festival de Sundance

    Direção: Anna Muylaert | Brasil/SP, 2015, 110 min

    Com Regina Casé, Camila Márdila, Michel Joelsas, Karine Teles e Lourenço Mutarelli

    Sinopse: Val é uma nordestina que deixa sua filha aos cuidados de parentes em Pernambuco para trabalhar como babá numa família de classe alta em São Paulo. Treze anos mais tarde, ela tornou-se uma segunda mãe para o menino Fabinho. A ação do filme começa quando Jéssica, sua filha adolescente vai para São Paulo prestar vestibular. Sua personalidade forte mexe na hierarquia social da família e consequentemente questiona a rigidez dos papéis sociais vigentes.

    → de 22 a 28 de outubro de 2015
    (exceto 5ª e 2ª, dias 22 e 26 de outubro)
    Horário: 17h
    Entrada R$ 10 / R$ 5 (meia entrada)
    Classificação indicativa: 14 anos

    SOBRE O FILME

    Produzido pela Gullane em associação com Africa Filmes e coprodução Globo Filmes, o drama que já foi vendido para 22 países da Europa, Ásia e Oceania e tem estreia no Brasil marcada para dia 27 de agosto, com distribuição da Pandora Filmes “Esse filme pode ser visto como social, mas não é só isso. Minha abordagem não é julgar os personagens e suas ações, mas sim mostrar a verdade de maneira crua.” declara a diretora Anna Muylaert.

    Que horas ela volta? apresenta diversas questões do Brasil contemporâneo através de uma história de amor materno. A ação se passa quase que totalmente dentro de uma casa de classe média alta do bairro do Morumbi em São Paulo. Ali reproduz-se não apenas a arquitetura, mas também os costumes sociais e o jogo de afetos desenhados para nós desde o período Colonial. Val, a antiga empregada que ajudou a criar Fabinho, o filho único do casal é tratada como se fosse quase da família. Mas quando sua filha Jéssica vem a São Paulo prestar vestibular e instala-se no meio da casa, as regras sociais até então invisíveis tornam-se visíveis e os velhos costumes são desequilibrados. Fica claro que ali não ha espaço para a filha da empregada. Só que não.

    SOBRE A DIRETORA

    Diretora e roteirista, Anna Muylaert nasceu em São Paulo, em 1964. Estudou cinema na Eca / USP. Foi crítica de cinema da revista IstoÉ e do jornal O Estado de São Paulo. Dirigiu os longas “Durval Discos”, 2001 (Melhor filme, de júri, publico e crítica no Festival de Gramado em 2002), “É Proibido Fumar”, 2009 (Melhor filme do júri e da crítica Festival de Brasília 2009) e “Chamada a Cobrar” (2011). Colaborou nos roteiros dos longas metragens “O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias”, “Xingu”, de Cao Hamburger e “Praia do Futuro”, de Karim Ainouz, entre outros. Na TV participou das equipes de criação dos programas “Mundo da Lua” e “Castelo Rá-Tim-Bum”, na TV Cultura; “Disney Cruj”, no SBT; “Um Menino Muito Maluquinho”, na TV Brasil. Já na HBO, participou dos roteiros de “Filhos do Carnaval”, “ Alice” e dirigiu 2 episódios de “Preamar”. Fez a direção geral da série “As Canalhas”, no GNT. Em janeiro de 2014 rodou o longa “Que Horas ela Volta?” (Melhor Atriz Festival de Sundance 2015 e prêmio do público da Mostra Panorama/ Berlinale 2015). Em novembro 2014 filmou o longa “Mãe Só Há Uma”, em fase de montagem. É mãe de José e Joaquim.

    CARREIRA INTERNACIONAL

    “Que Horas Ela Volta?” é o filme brasileiro recente com maior carreira internacional. Além de ter sido premiado nos festivais de Sundance e em Berlim, foi vendido para 22 países na Europa, Ásia e Oceania. No último verão europeu já foi lançado em diversos países dentre eles: França, Itália, Espanha, Bélgica, Suíça e Holanda. Na França foi lançado em 24 de junho com mais de 100 cópias em 120 cidades, conquistando um público de 105 mil espectadores em 3 semanas. Na Alemanha será lançado em 52 cidades. Na Itália, foi lançado em 4 de junho em 70 cidades, conquistando um público de 70.000 em 3 semanas. Na Espanha, foi lançado em 24 de junho em 11 cidades, conquistando um público de quase 15.000 no primeiro final de semana.

    FESTIVAIS E PREMIAÇÕES

    Em agosto de 2014 a produção participou do Festival Internacional de Cinema de Locarno na seleção “Carte Blanche”. No Festival de Sundance, que ocorreu entre 22 de janeiro a 01 de fevereiro de 2015, participou da seleção World Competition onde foi aplaudido de pé. O júri concedeu às atrizes Regina Casé e Camila Márdila o prêmio especial do júri de melhor atriz. No Festival de Berlim, em fevereiro de 2015, “Que Horas Ela Volta?” ganhou o prêmio de melhor filme da audiência na Mostra Panorama com um total de 31.200 votos do público, concorrendo com mais de 30 filmes. Também no Festival de Berlim recebeu o prêmio CICAE Art Cinema concedido pela “International Confederation of Art House Cinema”, júri independente do festival. No festival francês 3 Valenciennes o filme ganhou o prêmio de Melhor filme e também melhor atriz para Regina Casé. No festival de Valletta na Ilha de Malta, Anna Muylaert ganhou o prêmio de melhor direção.

    Leia mais
  • 12 out

    [FIF BH] Festival Internacional de Fotografia de Belo Horizonte

    FIF BH - Festival Internacional de Fotografia de Belo Horizonte
    Em sua segunda edição, FIF BH – Festival Internacional de Fotografia de Belo Horizonte conta com exposição internacional, palestras, painéis de discussão e atividades formativas – programação mais intensa de atividades será realizada entre os dias 1º e 9 de outubro.

    Entre os dias 1º e 9 de outubro, a 2ª edição do FIF – Festival Internacional de Fotografia de Belo Horizonte transformará a capital mineira em ponto de encontro para discussão e reflexão sobre a imagem fotográfica no Brasil e no mundo. A programação do Festival inclui a exposição internacional “Mundo, Imagem, Mundo” – que ocupa três espaços da cidade entre os dias 1º de outubro e 29 de novembro –, palestras, painéis de discussão, conversas com artistas, lançamento de livros, oficinas e maratona fotográfica.

    Idealizado e coordenado pelos artistas visuais Bruno Vilela e Guilherme Cunha, o FIF-BH é um festival voltado para o universo fotográfico ligado a pesquisas e investigações sobre a imagem na interseção com outros campos do conhecimento. Além de trazer à cidade de Belo Horizonte obras de importantes artistas dos quatro cantos do mundo – a grande exposição internacional reúne cerca de 200 trabalhos produzidos por 36 artistas vindos de 19 países – o FIF 2015 conta com outras quatro linhas de ação voltadas para estímulo do pensamento crítico e reflexões sobre a produção de imagens.

    PROGRAMAÇÃO NO CENTOEQUATRO

    Exposição “MUNDO, IMAGEM, MUNDO”
    Dentre mais de 1450 inscrições, vindas de 48 países dos 5 continentes, o FIF – Festival Internacional de Fotografia selecionou para a sua segunda edição obras de 36 artistas, de 19 nacionalidades de 4 continentes, que irão compor a exposição “Mundo, Imagem, Mundo”.

    →  Período: de 3 de outubro a 08 de novembro.

    Em 2015, a curadoria da Exposição e da convocatória Moving Images – composta pelos coordenadores do Festival Bruno Vilela e Guilherme Cunha, juntamente com Eduardo de Jesus, crítico, ensaísta, membro-diretor da Associação Cultural Videobrasil (SP) e professor da PUC Minas; Patrícia Azevedo, artista e professora da Escola de Belas Artes da UFMG – buscou trabalhos que, além de estabelecer diálogos entre as diversas linguagens e processos de construção da imagem, contribuíssem para a reflexão sobre a produção imagética e suas influências no mundo.

    “Nos trabalhos são investigados os diversos mundos que coexistem, se sobrepõem e se tencionam em diferentes contextos sociais e históricos”, afirma Bruno Vilela. “Os trabalhos selecionados representam diferentes visões de mundo e visões sobre o mundo. A potência de muitas das imagens reside na forma como evidenciam o impacto e até mesmo uma certa fragilidade das estruturas de controle e poder vigentes, dissolvem barreiras ou discutem a apropriação de valores culturais e históricos, levantando questões e reflexões sobre a organização das sociedades – obras em que a poética da imagem converge com o pensamento político, sem serem panfletárias”, afirma Guilherme Cunha.

    Neste ano, a exposição também será composta por 13 trabalhos em vídeo, de artistas de 8 nacionalidades, selecionados através da convocatória Moving Images – obras que, de caráter documental, performático ou cinemático, transitam entre o experimental e o cinematográfico em interseção com a fotografia.

    →  Abertura: 3 de outubro, às 19h
    Visitação: de 4 de outubro a 08 de novembro
    Segunda, das 12h às 17h; de terça a sexta-feira, das 12h às 22h; sábado e domingo, das 16h às 22h

    Ver lista de artistas por espaço 

    LANÇAMENTO DO LIVRO ESPAÇOS COMPARTILHADOS DA IMAGEM
    Caderno de Reflexões Críticas sobre a Fotografia
    No dia 8 de outubro, às 18h00, o café do CentoeQuatro recebe o lançamento de Espaços Compartilhados da Imagens – Caderno de Reflexões Críticas sobre a Fotografia. O livro, publicado pela editora Circuito, será distribuído gratuitamente.

    A publicação, contemplada pelo XIV Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia, parte da pesquisa realizada para a produção do FIF BH 2013 e 2015. Além de trazer imagens das obras selecionadas para a primeira edição do festival, o livro está organizado em torno de textos produzidos por autores convidados, voltados para o entendimento do universo da imagem fotográfica em seus mais diversos aspectos: estéticos, poéticos, políticos, filosóficos, sociais, históricos, dentre outros. Ao todo, a publicação é composta por nove textos escritos por teóricos, críticos, professores e artistas divididos em quatro eixos: “Espaços Compartilhados da Imagem”, “Tecnologia e Visualidade”, “Imagem e Construção de Realidades” e a “Política das Imagens”.

    Autores Convidados: Roland Bleiker (Austrália); Daniel Rubstein (Inglaterra); Ron Burnett (Canadá); Stefanie Baumann (Alemanha); David Levi Strauss (EUA); Eduardo de Jesus (Brasil); Patricia Azevedo (Brasil); Maria Angélica Melendi (Argentina)

    →  Lançamento: 08/10, quinta-feira, às 18h

    FIF UNIVERSIDADE
    Em 2015, o Festival desenvolve também o FIF Universidade, nova ação voltada para produção de conhecimento acadêmico sobre o universo da imagem e que busca promover a reflexão sobre a produção imagética, suas influências no mundo e a forma como impactam as relações humanas.

    Realizada em parceria com o programa de pós-graduação da Escola de Belas Artes da UFMG, essa atividade reunirá em Belo Horizonte 20 pesquisadores, de 3 países, selecionados pelos professores Carlos Henrique Falci, Adolfo Cifuentes, Anna Karina Bartolomeu, Patrícia Azevedo e Eduardo de Jesus. Os selecionados irão integrar cinco painéis de debate que serão realizados entre os dias 05 e 09 de outubro, sempre às 15h, no Café do CentoeQuatro.

    Imagem e Memória
    →  Dia 05.10, segunda-feira, às 15 horas

    Outros Mundos, Outros Imaginários
    →  Dia 06.10, terça-feira, às 15 horas

    Políticas das imagens e as estruturas de poder
    →  Dia 07.10, quarta-feira, às 15 horas

    Educação, imagem e novas formas de produção de conhecimento
    →  Dia 08.10, quinta-feira, às 15 horas

    Painel: Imagem e produção poética
    →  Dia 09.10, sexta-feira, às 15 horas

    PALESTRAS
    Entre os dias 4 e 9 de outubro, o CentoeQuatro recebe, como parte da programação do FIF – Festival Internacional de Fotografia, seis palestras que com objetivo de aproximar inquietações e conceitos sobre o universo da imagem, produzidos por diferentes campos do conhecimento. Para participar do ciclo de palestras foram convidados pensadores, professores, curadores e artistas, que irão apontar questionamentos e propor reflexões sobre a produção imagética, suas influências na construção das diferentes visões de mundo e a forma como impactam as relações humanas.

    A fotografia e o filme como tradução ritual de espaços e tempos de performances sagrada, com Ayson Heráclito
    →  Dia 04.10, domingo, às 17h

    Imagem, mitos e mitologias Políticas, com André Azevedo da Fonseca
    →  Dia 05.10, segunda-feira, às 19h30

    Imagem, arte e Poder, com Tadeu Capistrano
    →  Dia 06.10, terça-feira, às 19h30

    Sobre a fotografia e seus outros: Arquivo, legendas, contextos e veracidade, com Stefanie Baumann
    →  Dia 07.10, quarta-feira, às 19h30

    Mídia e favela, com Ubirajara Carvalho
    →  Dia 08.10, quinta-feira, às 19h30

    Políticas da Visualidade na América Latina , com Jorge Sepulveda
    →  Dia 09.10, sexta-feira, às 19h30

    Mais informações

    CONVERSAS COM ARTISTAS
    Entre os dias 4 e 9 de outubro, a programação do FIF-BH ocupa o café do CentoeQuatro com um pouco de prosa: o espaço receberá artistas que, em um momento descontraído, apresentarão seus trabalhos e participarão de bate-papo com o público. Entre os convidados estão Arnau Blach (04.10, domingo, às 16h), artista espanhol que participa da exposição “Mundo, Imagem, Mundo” e lança no festival seu novo livro Everybody needs good neighbours; Ellen Jacob (05.10, segunda-feira, às 17h), fotógrafa estadunidense que trata da segmentação social em sua série “Substitutas”, que faz parte da exposição do FIF 2015; Dellani Lima (09.10, sexta-feira, às 18h), artista que utiliza inúmeras técnicas com a manipulação digital e a gravação em baixa resolução e fidelidade; Guilherme Maranhão (04.10, domingo, às 15h30), que em sua pesquisa imagética busca alterações no processo de formação das imagens técnicas e subversões; e o cineasta e artista plástico Cao Guimarães (06.10, terça-feira, às 17h30), que lança “Cao”, livro concebido pelo próprio artista, que partiu de uma recolha intensa no seu arquivo fotográfico para construir uma nova leitura do seu trabalho.

    Guilherme Maranhão
    →  Dia 04.10, domingo, às 15h30

    Arnau Blach, lançamento do livro Everybody needs good neighbours
    →  Dia 04.10, domingo, às 16h

    Ellen Jacobs
    →  Dia 05.10, segunda-feira, às 17h

    Randolpho Lamonier
    →  Dia 05.10, segunda-feira, às 18h00

    Cao Guimarães, lançamento do livro “Cao”
    →  Dia 06.10, terça-feira, às 17h30

    Nitro
    →  Dia 07.10, quarta-feira, às 17h30

    Bruno Vilela e Guilherme Cunha (FIF-BH), lançamento do livro “Espaços Compartilhados da Imagens: caderno de reflexões criticas sobre a fotografia”
    →  Dia 08.10, 
    quinta-feira, às 18h00

    Leo Costa Braga
    →  Dia 09.10, sexta-feira, às 17h30

    Dellani Lima
    →  Dia 09.10, sexta-feira, às 18h00

    Mais informações

    ATIVIDADES EDUCATIVAS
    Com objetivo de estimular a mediação cultural e ampliar o universo de compreensão sobre a arte, fazem parte da programação do FIF – Festival Internacional de Fotografia atividades voltadas para professores e estudantes da rede de ensino de Belo Horizonte. As ações educativas do FIF-BH estruturam-se em torno de duas frentes: produção de material de apoio para professores, a ser utilizado em sala de aula; e visitas à Exposição “Mundo, Imagem, Mundo”, mediadas pela equipe do programa educativo em artes visuais da Fundação Clóvis Salgado. As ações visam possibilitar que o público, utilizando suas próprias percepções, experiências e repertório, amplie seu universo de compreensão sobre a arte.

    Encontro com professores
    →  Dia 07.10, das 9 às 13 horas, com medição de Bernardo Brant

    OFICINAS
    Entre os dias 05 e 10 de outubro quatro oficinas serão ofertadas pelo FIF – Festival Internacional de Fotografia. Os interessados podem se inscrever através do site www.fif.art.br até o dia 30 setembro. As atividades serão ministradas por nomes de destaque na área como Guilherme Maranhão, Gabriel Furtado, Brigida Campbell, João Perdigão e Luiz Navarro, que apresentam diferentes práticas e olhares sobre a fotografia.

    →  Inscrições para oficinas: até 30 de setembro, através do site www.fif.art.br
    Valor: R$330,00

    ASSESSORIA DE IMPRENSA
    Canal C – Comunicação e Cultura
    Jessica Soares | 31 9776-2847 | jessica@canalc.art.br
    Carol Macedo | 31 9821 3626 | carol@canalc.art.br

    Leia mais
  • 12 out

    Mesha Talks

    E aí? Pensou que a gente ia parar no Mesha LAB?
    Nesse caminho, encontramos muita gente que se identificou com nosso chamado, com desejo e coragem para testar novas formas de pensar e fazer as coisas. Pensando nisso, criamos o Mesha TALKS.

    O QUE É O MESHA TALKS?
    Uma nova experiência para conectar, inspirar e ampliar nosso movimento junto com você. Por isso, criarmos encontros mensais, abertos a todos os interessados, estilo HAPPY HOUR, com bar, música, formatos flexíveis a cada edição, encontros, conteúdos, histórias e o que mais surgir ao longo do caminho.

    O QUE NÃO É O MESHA TALKS?
    Um oráculo com todas as respostas, uma aula, mais uma palestra, um curso de formação ou uma experiência de aceleração.

    QUEM PODE PARTICIPAR?
    Viu o evento, curtiu a proposta, quer participar, garanta seu ingresso e chega mais

    >> https://www.sympla.com.br/mesha-talks__45619 <<

    Você pode participar de 2 maneiras:
    Curtindo um happy hour, se conectando com outras pessoas e assistindo aos Talks
    Se inscrevendo para falar em um dos momentos de OPEN MIC.

    COMO FUNCIONA?
    Na 1ª edição temos 2 Talks de 15 minutos com convidados muito especiais:

    • CHANCE – Gustavo Greco fala do processo criativo da sua empresa, da maneira peculiar da relação em equipe e o dia a dia do escritório. Conta como lidou com as oportunidades da vida, tornando sua empresa uma das mais premiadas do Brasil (saiba mais sobre Gustavo abaixo).

    • O poker como microcosmo da vida e dos negócios – Guilherme Kalil compartilha lições, provocações e histórias sobre o pensamento estratégico e o comportamento humano a partir da vivência na mesa de Poker. Quais os insights aprendidos e como traduzi-los na vida cotidiana? (saiba mais sobre Gulherme abaixo).

    OPEN MIC: O que é?
    Além de conectar pessoas e compartilhar ideias inspiradoras, queremos abrir espaço para descobrir novas histórias.

    Temos 2 momentos de MICROFONE ABERTO (até 15 minutos cada). Vamos selecionar 2 pessoas até 13 de outubro para compartilhar histórias, experiências, ideias, cases, modelos de negócio, cenas curtas, projetos, sonhos ou qualquer outra manifestação.

    Topa o desafio?
    Se sua resposta for sim, garanta seu ingresso e depois clique no link e nos conte um pouco mais sobre o que quer falar.

    >> https://meshalab.typeform.com/to/zwwtAq <<

    Conhece alguém que tem uma teoria, negócio, história, talento, ideia ou visão de mundo que merece ser compartilhada com a gente?

    Indica aí! No dia 13 de outubro a gente vai divulgar as 2 pessoas selecionadas para esse momento.

    **As 2 pessoas selecionadas serão reembolsadas pelo valor do ingresso.

    QUANDO ACONTECE?
    Dia 15 de outubro, quinta feira.
    Abertura do bar: 18h

    TALKS:
    1º Open Mic: 20h
    GUILHERME KALIL: 20h

    2º Open Mic: 21h
    GUSTAVO GRECO: 21h

    Vai ter DJ?
    Vai sim! Nos intervalos de cada talk, e das 22h até o bar fechar tem DJ Frankiw (Wannabe)

    ONDE?
    CENTO E QUATRO (CAFÉ 104)
    (Praça Ruy Barbosa, 104 | Centro Belo Horizonte | MG |)
    *Estacionamento conveniado: Park Box | Av. Santos Dumont, 218 | Centro | R$ 5,00 (preço único)

    QUANTO CUSTA?
    R$20 antecipado https://www.sympla.com.br/mesha-talks__45619
    R$30 na portaria.

    ** SUJEITO A LOTAÇÃO DE 100 PRIMEIROS LUGARES.

    TODOS OS TALKS SERÃO FILMADOS E VÃO PARA O NOSSO CANAL NO YOUTUBE

    Sobre Gustavo Greco
    Sócio e diretor de criação da New Greco, empresa de Design entre as mais premiadas do Brasil. Destacam-se o Design Lions no Festival de Cannes, D&AD, Grand Prix no Red Dot Design Award, iF Communication Award, London International Awards e Prêmio e Menção na Bienal Iberoamericana de Diseño. Atua também como professor na pós-graduação em Gestão de Marcas da PUC MG, e na difusão do design, integrando a direção nacional da Abedesign. É jurado de importantes premiações no Brasil e no exterior.

    Sobre Guilherme Kalil
    É engenheiro no ramo rodoviário, jogador profissional de Poker e músico. Conheceu o poker no início dos anos 2000 e se tornou profissional do time de torneios 4 Bet, o maior no Brasil, em 2010. Criou o maior podcast de poker do país, colaborou com três revistas do esporte e dá aulas para jogadores com foco no poker ao vivo. É narrador da principal série de poker no estado e colunista do site Papo de Homem. Toca bateria e baixo acústico em bandas que variam do punk rock ao country de raiz.

    CONTATO
    Peu Lamounier: 31 8801-5375
    Babi Faria: 31 8861-9951

    Leia mais
  • 12 out

    Mostra CineBH

    9ª CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte
    15 a 22 de outubro de 2015

    6ª Brasil CineMundi – International Coproduction Meeting
    15 a 19 de outubro de 2015


    Foto: Nereu Jr

     

    PROGRAMAÇÃO NO CENTOEQUATRO
    Entre os dias 16 e 22 de outubro, o Cine 104 recebe programação da Mostra CineBH.

    → de 16 a 22 de outubro de 2015
    Entrada gratuita, com distribuição de ingressos 30 minutos antes das sessões.
    90 ingressos para cada sessão

     

    16 DE OUTUBRO – 6ª FEIRA

     

    19h30 – LONGA – MOSTRA CONTEMPORÂNEA– PRÉ-ESTREIA NACIONAL
    Local: Cine 104

     


    A MORTE DIÁRIA

    Documentário, Cor, DCP, 78′, MG, 2015

    Direção: Daniel Lentini
    Elenco: moradores do Sul de Minas Gerais

    O fim daquela terra. O fim daquele tempo.

    *Faixa etária sugerida: 14 anos

     

    21h30 – MOSTRA CURTAS – SÉRIE 1
    Local: Cine 104

     


    UMA FAMÍLIA ILUSTRE
    , de Beth Formaggini
    Documentário, Cor, DCP, 15’03, RJ, 2015

     


    O TETO SOBRE NÓS
    , de Bruno Carboni
    Ficção, Cor, DCP, 22′, RS, 2015

     


    CHAPA
    , de Fábio Montanari
    Ficção, Cor, Digital, 14’10, SP, 2015

     


    RETRATO DE CARMEM D.
    , de Isabel Joffily
    Documentário, Cor, Digital, 22′, RJ, 2015

    *Faixa etária sugerida: 12 anos

     

    23h – ARTE – SHOW
    Local: Café 104
    MARCELO VERONEZ
    Marcelo Veronez é um intérprete. Por definição, aquele que interpreta. Cantor e ator, diretor de teatro, com passagens pela dança e pelo teatro musical, todas essas informações compõe o intérprete. E ele sintetiza tudo isso em cena, a fim de realizar com a platéia a mágica do encontro. É o que importa, para todos os fins. O show “Não sou nenhum Roberto” está a cinco anos na estrada. Com o suporte de um power trio, traz uma releitura debochada, roqueira e sexual das músicas de Roberto e Erasmo Carlos e de outros compositores que gravitam em torno dos reis do iêiêiê. É um show vibrante, onde todos cantam sem vergonha, os clássicos que crescemos ouvindo na vitrola e que fazem parte da trilha sonora das nossas vidas desde a barriga das nossas mães. Afinal de contas, quem nunca se emocionou ou cantou (mesmo que escondido) Detalhes, Eu te amo, te amo, te amo e As curvas da estrada de Santos? Em ‘Não sou nenhum Roberto’, a idéia não é mais cantar escondido. É assumir a plenos pulmões o que sente, liberdade de existir sem amarras.

     

    17 DE OUTUBRO – Sábado

    19h30 – LONGA – MOSTRA CONTEMPORÂNEA– PRÉ-ESTREIA NACIONAL
    Local: Cine 104

     


    O TOURO

    Documentário, Cor, DCP, 78′, PR, 2015

    Direção: Larissa Figueiredo
    Elenco: Joana de Verona & moradores da Ilha de Lençóis

    Quando o Rei Português Dom Sebastião perdeu a Batalha de Alcácer Quibir, seu corpo foi engolido pelas areias do Marrocos e desapareceu. Seu espírito, no entanto, formou um exército e fundou o seu reino encantado na Ilha de Lençóis, no Nordeste do Brasil. Cinco séculos depois, Joana, um jovem portuguesa, chega na ilha em busca do seu rei desaparecido.

    *Faixa etária sugerida: livre

     

    21h30 – CURTAS | MOSTRA RETROSPECTIVA VERMELHO PROFUNDO
    Local: Cine 104

     


    ENQUANTO A JUSTIÇA TARDA
    , de Fabiano Raposo
    Documentário, Cor, Digital, 16’41, PB, 2009

     


    MAIS DENSO QUE SANGUE
    , de Ian Abé
    Ficção, Cor, Digital, 15’15, PB, 2011

     


    COVA ABERTA
    , de Ian Abé
    Ficção, Cor, Digital, 21’01, PB, 2013

    *Faixa etária sugerida: 18 anos

     

    23h – ARTE – SHOW
    Local: Café 104
    GAFIEIRA 104

     

    18 DE OUTUBRO – Domingo

     

    18h – MOSTRA CURTAS – SÉRIE 2
    Local: Cine 104

     


    UMA LINHA
    , de Fernando Calabron, Manu Sobral
    Documentário, Cor, Digital, 10′, SP, 2015

     


    MARCATTI
    , de Arthur B. Senra e Sávio Leite
    Documentário, Cor, Digital, 07’36, MG, 2015

     


    CORRESPONDÊNCIAS DO FRONT
    , de Bruna Carvalho Almeida
    Experimental, Cor, Digital, 13′, SP, 2015

     


    ANÊMONA
    , de Felipe Santo
    Ficção, Cor, DCP, 15’30, SP, 2015

    *Faixa etária sugerida: 18 anos

     

    19h30 – LONGA – MOSTRA CONTEMPORÂNEA |PRÉ-ESTREIA NACIONAL
    Local: Cine 104

     


    FAUX ACCORDS

    Ficção-Documentário, Cor, Digital, 70’, França, 2014

    Direção: Paul Vecchiali
    Elenco: Pascal Cervo, Julien Lucq, Paul Vecchiali

    Após a morte de seu parceiro, um homem descobre na Internet que o último teve relações virtuais com outro homem. Ele imprime todas as mensagens e, depois de queimar todos os bens do parceiro, começa a imaginar o correspondente com duas faces diferentes, a depender do conteúdo das mensagens. No final, derrama as cinzas do parceiro em seu peito nu.

    *Faixa etária sugerida: 12 anos

     

    21h – CURTAS | MOSTRA RETROSPECTIVA VERMELHO PROFUNDO
    Local: Cine 104

     


    OS MORTOS
    , de Jhésus Tribuzi
    Ficção, Cor, Digital, 24’37, PB, 2015

     


    O HÓSPEDE
    , de Ramon Porto Mota, Anacã Agra
    Ficção, P&B, Digital, 17’04, PB, 2011

     


    O DESEJO DO MORTO
    , de Ramon Porto Mota
    Ficção, Cor, Digital, 33’20, PB, 2013

    *Faixa etária sugerida: 18 anos

     

    22h30 – ARTE – SHOW
    Local: Café 104
    GUSTAVITO
    É um dos principais artistas da nova geração de compositores de Minas Gerais. Sua musicalidade está fundamentada na cultura popular brasileira, em sintonia com a canção contemporânea, com forte marca de originalidade e cores vivas e fortes. De faces multicoloridas e repertório autoral, é violeiro e cantador. A gravação do videoclipe Nina, em parceria com Laboratório Filmes e a associação “Quem Não tem Cão Cata Com Ácido” selaram o inicio dessa história de botar pra fora. Já vieram dois

     

    19 DE OUTUBRO – 2ª feira

     

    19h – LONGA – MOSTRA DIÁLOGOS HISTORICOS | SESSÃO COMENTADA
    Local: Cine 104 | CentoeQuatro Centro Cultural

     


    ZERO DE COMPORTAMENTO

    TÍTULO ORIGINAL: ZÉRO DE CONDUITE
    Ficção, P&B, DCP, 41’, França, 1933

    Direção: Jean Vigo
    Elenco: Jean Dasté, Robert le Flon, Louis de Gonzague, Raphaël Diligent, Louis Lefebvre, Gérard de Bédarieux

    O filme remete às experiências escolares das crianças francesas baseadas nas memórias de Vigo sobre sua própria infância. Retrata um sistema educativo burocrático e repressivo diante do qual os estudantes empreendem verdadeiros atos de rebelião por vezes surreais, resultado de leituras libertárias da infância. O título faz referência a qualificação (nota) de um dos meninos recebem que lhes impede de sair no domingo. Também mostra a influência da obra de teatro Ubu Roi de Alfred Jarry.

    *Faixa etária sugerida: Livre

    *Sessão comentada – bate-papo após a exibição do filme

     

    21h – MOSTRA CURTAS – SÉRIE 3
    Local: Cine 104

     


    SEXTA-FEIRA
    , de Gian Orsini
    Documentário, Cor, DCP, 11’16, PB, 2015

     


    PRETO
    , de Elton de Almeida
    Ficção, Cor, Digital, 21’24, SP, 2015

     


    BISTON BETULARIA
    , de Ive Machado
    Documentário, Cor, Digital, 13’14, PR, 2015

     


    CIDADE NOVA
    , de Diego Hoefel
    Ficção, Cor, DCP, 13′, CE, 2015

     


    ANOTHER EMPTY SPACE
    , de Davi de Oliveira Pinheiro

    Ficção, Cor, DCP, 08’06, RS, 2015

    *Faixa etária sugerida: 12 anos

     

    20 DE OUTUBRO – 3ª feira

     

    19h – LONGA – MOSTRA DIÁLOGOS HISTORICOS | SESSÃO COMENTADA
    Local: Cine 104

     


    OS OLHOS SEM ROSTO

    TÍTULO ORIGINAL: LES YEUX SANS VISAGE
    Ficção, P&B, DCP, 90’, França-Itália, 1960

    Direção: Georges Franju
    Elenco: Alida Valli, Edith Scob, Pierre Brasseur, François Guérin, Alexandre Rignault, Claude Brasseur

    O cirurgião Genessier deseja remodelar o rosto de sua filha Christiane, que teve o rosto desfigurado após um acidente de carro. Mas para ele realizar o processo, ele terá que arrancar a pele de outras garotas.

    *Faixa etária sugerida: 16 anos

    *Sessão comentada – bate-papo após a sessão do filme

     

    21h – MOSTRA CURTAS – SÉRIE 3
    Local: Cine 104

     


    BARQUEIRO
    , de João Menezes e Lucas Justiniano
    Ficção, P&B, DCP, 14’40, SP, 2015

     


    O BOM MALANDRO
    , de Mariana Castelo Branco
    Documentário, Cor, Digital, 15′, MG, 2015

     


    CANTO
    , de Cleber Weissheimer, Fabiano Leobons, Fernanda Burzaca, Gabriela Barbato Coelho, Luisa Mello e Vinicius Forain.
    Documentário, Cor, Digital, 15′, RJ, 2015

     


    SERIA SEGUNDA, MAS ESTAMOS TODOS MORTOS
    , de Thiago Taves Sobreiro
    Experimental, Cor, DCP, 09′, MG, 2015

     


    32 DENTES
    , de Davi Kolb
    Ficção, Cor, Digital, 19’46, RJ, 2015

    *Faixa etária sugerida: 12 anos

     

    21 DE OUTUBRO – 4ª feira

     

    19h30 – LONGA – MOSTRA CONTEMPORÂNEA |PRÉ-ESTREIA NACIONAL
    Local: Cine 104

     


    MUSEUM HOURS

    Ficção, Cor, DCP,106’, Áustria-EUA, 2012

    Direção: Jem Cohen
    Elenco: Mary Margaret O’Hara, Bobby Sommer, Ela Piplits

    Johann é vigilante no Museu de História de Arte em Viena. Suas horas de trabalho são de observação discreta e atenta dos visitantes que atravessam as salas do museu e se detêm diante das obras de arte expostas. Johann depara-se com a presença enigmática de Anne, uma visitante estrangeira que veio de emergência à Viena visitar uma amiga hospitalizada, e que, sem conhecer a cidade, procura refúgio no museu.

    *Faixa etária sugerida: 14 anos

     

    22 DE OUTUBRO – 5ª feira

     

    19h30 – LONGA – MOSTRA CONTEMPORÂNEA |PRÉ-ESTREIA NACIONAL
    Local: Cine 104

     


    DEUX RÉMI, DEUX

    Ficção, Cor, Digital, 66’, França, 2015

    Direção: Pierre Léon
    Elenco: Pascal Cervo, Serge Bozon, Luna Picoli-Truffaut, Bernard Eisenschitz, Jean-Christophe Bouvet, Jackie Raynal
    Aos 30 anos, ainda sem um bom emprego e com uma tímida vida amorosa, Rémi está um pouco perdido na vida até o dia em que tem que dividi-la com o seu duplo, um outro dele, por sua vez alguém invasivo e não muito legal. Qual deles é o verdadeiro Rémi?

    *Faixa etária sugerida: 12 anos

     

    Mais informações: cinebh.com.br 

    Leia mais
  • 08 out

    [em cartaz] Orestes

    [3ª semana] Orestes

    Direção: Rodrigo Siqueira | Brasil/ SP, 2015, 93 min

    Sinopse: Orestes é uma adaptação da tragédia grega, de Ésquilo, para a realidade brasileira. Com um júri simulado e uma série de psicodramas, Orestes coteja dois momentos da nossa história: a ditadura militar dos anos 1970 e o presente, da violência policial.

    → de 08 a 15 de outubro de 2015
    (exceto 2ª, dia 12 de outubro) 
    Horário: 19h
    Entrada R$ 10 / R$ 5 (meia entrada)
    Classificação indicativa: 12 anos

     


     

    Sobre o filme

    Em 458 a.C., Ésquilo encenou a trilogia Oréstia. A tragédia culmina com o julgamento de Orestes, que matou a própria mãe para vingar a morte do pai. A sua absolvição pelo júri de atenienses colocou fim ao olho por olho, dente por dente e converteu das Erínias, deusas da vingança, em Eumênides, como defensoras da democracia, um marco civilizatório na cultura ocidental.

    O documentário Orestes apropria-se da história de Ésquilo e promove o seu encontro com a história do Brasil. E se Orestes fosse brasileiro, filho de uma militante política e de um agente da ditadura militar infiltrado? E se aos 6 anos ele tivesse visto sua mãe ser torturada e morta pelo pai? E se este mesmo Orestes, 37 anos depois, matasse o pai, um torturador anistiado, em 1979, durante o processo de redemocratização?

    A partir dessas perguntas, o documentário “Orestes” usa um júri simulado e uma série de sessões de psicodrama para investigar como a ditadura militar deixou marcas profundas nas narrativas oficiais e na subjetividade dos brasileiros.

    Documentário e ficção compõem um Brasil de verdades simuladas. No filme, o réu hipotético Orestes é levado a júri popular. Em sua defesa atua o ex-ministro da justiça José Carlos Dias, advogado de mais de 600 presos políticos durante a ditadura. Quem acusa é o promotor Maurício Ribeiro Lopes, exímio orador em tribunais criminais.

    O coro desta tragédia documental à brasileira é composto por um grupo de pessoas vítimas da violência policial, vítimas da ditadura e da sociedade civil.

    Reunido em sessões de psicodrama o grupo faz aflorar, sem filtros, situações e falas que normalmente não são ditas publicamente. É através do coro que os ritos da justiça são postos frente a frente com as paixões mais profundas do brasileiro comum, é no psicodrama que o presente olha para os traumas do passado.

    As feridas deixadas pelo nosso violento e muitas vezes velado ou dissimulado processo histórico permeiam o filme. As marcas da repressão nos anos 1970 encontram as marcas da violência policial de hoje. A verdade histórica é posta em xeque, as narrativas oficiais são desconstruídas, o fato e a versão são acareados, a justiça é posta em dúvida. No Brasil de 2015, talvez as Erínias, deusas da vingança, ainda estejam vivas e mais atuantes que nunca.

    Ao convencer as Erínias (as Fúrias) – Deusas da Vingança – a aceitar a absolvição de Orestes e integrá-las ao novo sistema de justiça, Athena – Deusa da Justiça – lhes diz: “Se venerais a sagrada Persuasão / Que faz minhas palavras parecerem mágicas / E cheias de doçura, concordai comigo / E sede para todo o sempre minhas hóspedes”.
    (ÉSQUILO, Eumênides, em 458 a.C.)

    Bio-filmografia de Rodrigo Siqueira
    Orestes é o segundo documentário de Rodrigo Siqueira para cinema. Seu longa de estreia, “Terra deu, terra come” foi o documentário brasileiro mais premiado no biênio 2010/2011. O longa caminha entre a realidade e a ficção e mostra resquícios de rituais fúnebres africanos no Brasil. Fora do Brasil, “Terra deu, terra come”, recebeu o prêmio “Young Talent” no festival Dok Leipzig, na Alemanha, e Siqueira foi indicado ao prêmio de melhor diretor de documentários da América Latina, no CineLatino, NY.
    O filme foi exibido em festivais como Guadalajara, Toulouse, Atlantidoc, Edoc, Ambulante México e em diversos festivais no Brasil. Por iniciativa do diretor, “Terra deu, terra come” também foi distribuído gratuitamente a uma rede de mais de 800 cineclubes e alcançou centenas de cidades brasileiras que não possuem salas de cinema.

     

    Site Oficial
    www.orestesfilme.com.br

     

    Leia mais
  • 08 out

    [em cartaz] Que Horas ela Volta?

    [6ª semana] Que Horas ela Volta?

    Um retrato do Brasil dividido.
    As relações de poder e afeto entre patrões x empregados
    Novo longa de Anna Muylaert discute
    o velho e o novo Brasil
    através das figuras da empregada obediente
    e de sua filha libertária.

    Prêmio de Público no Festival de Berlim
    Prêmio de Atriz para Regina Casé no Festival de Sundance

    Direção: Anna Muylaert | Brasil/SP, 2015, 110 min

    Com Regina Casé, Camila Márdila, Michel Joelsas, Karine Teles e Lourenço Mutarelli

    Sinopse: Val é uma nordestina que deixa sua filha aos cuidados de parentes em Pernambuco para trabalhar como babá numa família de classe alta em São Paulo. Treze anos mais tarde, ela tornou-se uma segunda mãe para o menino Fabinho. A ação do filme começa quando Jéssica, sua filha adolescente vai para São Paulo prestar vestibular. Sua personalidade forte mexe na hierarquia social da família e consequentemente questiona a rigidez dos papéis sociais vigentes.

    → de 08 a 15 de outubro de 2015
    (exceto 2ª, dia 12 de outubro)
    Horários: 17h  e 20h40
    Entrada R$ 10 / R$ 5 (meia entrada)
    Classificação indicativa: 14 anos

    SOBRE O FILME

    Produzido pela Gullane em associação com Africa Filmes e coprodução Globo Filmes, o drama que já foi vendido para 22 países da Europa, Ásia e Oceania e tem estreia no Brasil marcada para dia 27 de agosto, com distribuição da Pandora Filmes “Esse filme pode ser visto como social, mas não é só isso. Minha abordagem não é julgar os personagens e suas ações, mas sim mostrar a verdade de maneira crua.” declara a diretora Anna Muylaert.

    Que horas ela volta? apresenta diversas questões do Brasil contemporâneo através de uma história de amor materno. A ação se passa quase que totalmente dentro de uma casa de classe média alta do bairro do Morumbi em São Paulo. Ali reproduz-se não apenas a arquitetura, mas também os costumes sociais e o jogo de afetos desenhados para nós desde o período Colonial. Val, a antiga empregada que ajudou a criar Fabinho, o filho único do casal é tratada como se fosse quase da família. Mas quando sua filha Jéssica vem a São Paulo prestar vestibular e instala-se no meio da casa, as regras sociais até então invisíveis tornam-se visíveis e os velhos costumes são desequilibrados. Fica claro que ali não ha espaço para a filha da empregada. Só que não.

    SOBRE A DIRETORA

    Diretora e roteirista, Anna Muylaert nasceu em São Paulo, em 1964. Estudou cinema na Eca / USP. Foi crítica de cinema da revista IstoÉ e do jornal O Estado de São Paulo. Dirigiu os longas “Durval Discos”, 2001 (Melhor filme, de júri, publico e crítica no Festival de Gramado em 2002), “É Proibido Fumar”, 2009 (Melhor filme do júri e da crítica Festival de Brasília 2009) e “Chamada a Cobrar” (2011). Colaborou nos roteiros dos longas metragens “O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias”, “Xingu”, de Cao Hamburger e “Praia do Futuro”, de Karim Ainouz, entre outros. Na TV participou das equipes de criação dos programas “Mundo da Lua” e “Castelo Rá-Tim-Bum”, na TV Cultura; “Disney Cruj”, no SBT; “Um Menino Muito Maluquinho”, na TV Brasil. Já na HBO, participou dos roteiros de “Filhos do Carnaval”, “ Alice” e dirigiu 2 episódios de “Preamar”. Fez a direção geral da série “As Canalhas”, no GNT. Em janeiro de 2014 rodou o longa “Que Horas ela Volta?” (Melhor Atriz Festival de Sundance 2015 e prêmio do público da Mostra Panorama/ Berlinale 2015). Em novembro 2014 filmou o longa “Mãe Só Há Uma”, em fase de montagem. É mãe de José e Joaquim.

    CARREIRA INTERNACIONAL

    “Que Horas Ela Volta?” é o filme brasileiro recente com maior carreira internacional. Além de ter sido premiado nos festivais de Sundance e em Berlim, foi vendido para 22 países na Europa, Ásia e Oceania. No último verão europeu já foi lançado em diversos países dentre eles: França, Itália, Espanha, Bélgica, Suíça e Holanda. Na França foi lançado em 24 de junho com mais de 100 cópias em 120 cidades, conquistando um público de 105 mil espectadores em 3 semanas. Na Alemanha será lançado em 52 cidades. Na Itália, foi lançado em 4 de junho em 70 cidades, conquistando um público de 70.000 em 3 semanas. Na Espanha, foi lançado em 24 de junho em 11 cidades, conquistando um público de quase 15.000 no primeiro final de semana.

    FESTIVAIS E PREMIAÇÕES

    Em agosto de 2014 a produção participou do Festival Internacional de Cinema de Locarno na seleção “Carte Blanche”. No Festival de Sundance, que ocorreu entre 22 de janeiro a 01 de fevereiro de 2015, participou da seleção World Competition onde foi aplaudido de pé. O júri concedeu às atrizes Regina Casé e Camila Márdila o prêmio especial do júri de melhor atriz. No Festival de Berlim, em fevereiro de 2015, “Que Horas Ela Volta?” ganhou o prêmio de melhor filme da audiência na Mostra Panorama com um total de 31.200 votos do público, concorrendo com mais de 30 filmes. Também no Festival de Berlim recebeu o prêmio CICAE Art Cinema concedido pela “International Confederation of Art House Cinema”, júri independente do festival. No festival francês 3 Valenciennes o filme ganhou o prêmio de Melhor filme e também melhor atriz para Regina Casé. No festival de Valletta na Ilha de Malta, Anna Muylaert ganhou o prêmio de melhor direção.

    Leia mais
  • 08 out

    [Café104 apresenta] Bendito Blues

    Bendito Blues comemora 10 anos no Café104

     No sábado, dia 10 de outubro, a partir das 22h, no Café104,  única apresentação da Bendito Blues, em comemoração ao 10º aniversário da banda. Ingressos a R$20,00.

    A longa amizade entre o gaitista Samir Chammas e o vocalista Eduardo Vasconcelos deu origem à banda Bendito Blues, já consagrada nos palcos mineiros e que reverencia o gênero nascido no Mississipi.  A Samir e Eduardo juntaram-se o guitarrista Fernando Prado, o baterista Dinho Mourão e o baixista Márcio Silva. Atualmente, Rodrigo Ferreira substitui Fernando, que mudou-se para São Paulo porém, nesta apresentação única, que  celebrará os 10 anos da banda, a formação original está de volta. Também para o show de  aniversário, participação especial do tecladista Cris Simões.

    A capital mineira firmou-se como cena ativa do blues e o público sempre  mostrou grande afinidade com as vozes e guitarras marcadas ao longo dos anos por BB King, Buddy Guy, Eric Clapton, Stevie Ray Vaughan, entre outros e que são mostradas, com maestria, pela Bendito Blues.

    Super programa pro sábado à noite !

     

    SERVIÇO

    10 anos da banda Bendito Blues
    Sábado, 10 de outubro, a partir das 22h
    Abertura da casa: 20h
    Ingressos a R$ 20,00
    Maiores informações: 31 3222.6457

    Estacionamento conveniado – Park Box
    (Av. Santos Dumont, 218, Centro -
    R$ 5,00 – preço único)

     Café104
    Praça Rui Barbosa, 104 – Centro – BH
    Tel. (31) 3222.6457

    Leia mais