Pular a navegação e ir direto para o conteúdo


Filtrar por data

Como Chegar

Praça Ruy Barbosa, 104 | Centro
Belo Horizonte | MG | 30.160-000
Telefone: (31) 3222-6457
contato@centoequatro.org

Funcionamento:
Café 104, Cine 104 e espaços multiuso: consulte a programação

Acesso para deficientes

Detalhes

Agenda

07 out

[ OLHO - vídeo art cinema ] Programa 4: TERRA BRASILIS

→ 7 de outubro
Horário:
21h
ENTRADA GRATUITA, com distribuição de ingressos meia hora antes das sessões
Classificação indicativa –14 anos

As ruínas do passado são ineludíveis em qualquer nova construção. Construímos a partir de seu reconhecimento, de sua destruição e da tentativa de copiá-las, mas elas sempre incorporam uma referência espacial e temporal. De que maneiras o peso da história a que elas pertencem afeta o futuro que se pode antever depois? Através da reconstrução do Templo de Salomão em São Paulo e da edificação de Brasília, Yael Bartana e Ana Vaz oferecem uma reflexão poderosa sobre dois destinos diferentes de ruínas reconstruídas.

Inferno
Direção – Yael Bartana (2013, 21 min)
O ponto de partida de Inferno é a construção do Terceiro Templo de Salomão, em São Paulo, por uma igreja neopentecostal brasileira, a Igreja Universal do Reino de Deus, fundada no Rio de Janeiro no final da década de 1970, com milhões de adeptos no Brasil e no mundo. Construído segundo especificações bíblicas, esse novo templo replica o primeiro templo em Jerusalém, cuja violenta destruição sinalizou o início da diáspora do povo judeu no VI século a.C. Bartana emprega a estratégia que ela chama de “pré-encenação histórica”, uma metodologia que combina fatos e ficção, profecia e história. Seu trabalho aborda o projeto grandioso do templo através uma visão do seu futuro: será que a sua construção, necessariamente, prefigura a sua destruição?

A idade da Pedra
Direção – Ana Vaz (2013, 29 min)
Uma viagem para o extremo oeste do Brasil nos leva a uma estrutura monumental petrificada no Sertão Brasileiro. Inspirado pela construção épica da cidade de Brasília, o filme usa essa história para imaginar o contrário. “Eu olho para Brasília do mesmo modo que olho Roma: Brasília começou como simplificação extrema de ruínas”. Através dos vestígios geológicos que nos levam a este monumento fictício, o filme descobre uma história de exploração, profecias e mitos.

Sobre a Mostra OLHO
Fundado em 2014 por Alessandra Bergamaschi e Vanina Saracino, OLHO é um projeto curatorial que nasce com o objetivo de pesquisar e explorar as relações existentes entre a produção contemporânea de obras de arte em vídeo e o cinema. A premissa inicial, que ainda direciona sua pesquisa, é a forma como a arquitetura de um espaço imersivo pode contextualizar, influenciar e até mesmo redefinir a experiência do espectador com uma obra de arte, especialmente no que tange a percepção de obras baseadas no tempo e de imagens em movimento. Tem como objetivo pesquisar, analisar e reunir em sequências cuidadosamente curadas obras de arte em vídeo que estejam repensando a linguagem do Cinema, para que sejam exibidas em suas telas. Essa experiência visual envolvente é o ponto de partida para a realização de conferências, palestras e publicações que visem a construção de um diálogo interdisciplinar, com a contribuição de profissionais de várias áreas. [+ informações ]

Detalhes

Vá de ônibus, táxi, bicicleta ou metrô | Próximo a Estação Central de metrô

Detalhes