Pular a navegação e ir direto para o conteúdo


Categorias

  • Nenhuma categoria

Blog

  • 30 jun

    Deriva – Mostra experimental da Escola de Belas Artes – UFMG

    A atual exposição dos alunos da Escola de Belas Artes – UFMG – propõe um espaço no qual está sendo observada a dinâmica da experimentação e da cooperação. Visando relativizar modos convencionais da produção artística esta mostra pretende ampliar,  por meio da vivência, o entendimento da importância do ato de expor para o profissional da imagem.

    Leia mais
  • 21 jun

    Projeto “EXPERYMENTAL” expõe trabalhos de alunos da Guignard

    O projeto “EXPERYMENTAL“, sob orientação dos artistas e professores Marco Tulio Resende e Ana Cristina Brandão, tem o objetivo de reunir os trabalhos dos formandos do curso de artes plásticas da UEMG em um espaço para troca de ideias. Os trabalhos foram produzidos a partir da experimentação nas técnicas de desenho e serigrafia.

    Com o sentido de abrir novas possibilidades, tanto na técnica quanto no conceitual, rompendo com limites a barreiras, o projeto se justifica, sobretudo, por ampliar a discussão de arte contemporânea e suas interfaces.

    Abaixo, alguns dos trabalhos expostos e os respectivos artistas:

    Bianca Skov

    Binho Barreto

    Cacá Bicalho

    Gelka Arruda

    Leia mais
  • 18 jun

    Gastrophonic: Guilherme Castro, Avelar Jr. e Léo Dias

    Gastrophonic é um projeto solo do compositor, produtor e guitarrista Guilherme Castro. Ele parte da expansão semiótica de poemas de sua própria autoria para uma versão sonora que dialogue com a tradição da canção popular brasileira. E esse espaço de diálogo é propiciado pela utilização de conceitos e práticas da música concreta e eletrônica, bem como noções sobre sistemas musicais interativos.

    Programações em Max/MSP (ambiente de programação voltado para a elaboração de sistemas interativos) foram desenvolvidas para o gerenciamento e controle de sinais de áudio para performance em tempo real, onde processamento digital e execução musical acompanhada por fonogramas se fundem em uma apresentação com organicidade e expressividade.

    Se valendo da interação simbólica entre signos sonoros e poéticos, o artista recria o conceito de canção na busca por uma sonoridade única e ímpar, onde a sutileza e o cuidado timbrístico ressaltam as possibilidades semióticas dos poemas.

    O ARTISTA

    Guilherme Castro é bacharel em composição, mestre em música, ambos pela UFMG (na área de música e tecnologia), além de ser doutorando em música na UNICAMP. É membro da am band SOMBA, da qual é fundador, além de compositor, guitarrista e produtor. Atualmente é professor do curso de licenciatura em música do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix.

    Já trabalhou como músico, técnico de som e produtor musical de diversas produções mineiras da nova safra de artistas, como os álbuns “Moira” (Maísa Moura), “A Outra Cidade” (Makely Ka, Kristoff Silva e Pablo Castro), “Autófago” (Makely Ka), “O equilíbrio do mundo” (Vezga), “Abbey Roça” (SOMBA), “Clube da Esquina dos Aflitos” (SOMBA), “Cuma?” (SOMBA), “Ventos de Outono” (Cálix), entre outros.

    Leia mais
  • 18 jun

    Exibições de filmes, mesas redondas e premiações integram a VIII Mostra Minas de Cinema e Vídeo

    A VIII Mostra Minas de Cinema e Vídeo é uma realização da Associação Cultural Teia de Textos, em co-realização com a Café Pingado Filmes.  No ano em que chega à sua oitava edição, o evento também conta com a parceria do CentoeQuatro, espaço cultural onde será realizado. Ao longo dessa trajetória, a proposta consistente e a programação diversificada do evento lhe permitiram sucesso de público e, portanto, um lugar definido no calendário cultural da cidade.

    A Mostra Minas tem como objetivo divulgar o trabalho de cineastas mineiros, abrindo espaço para a exibição de seus filmes em três espaços diferentes: Mostra Homenagem, Mostra Competitiva e Mostra Educação.  Neste ano, a Mostra homenageia Gibi Cardoso e premia o longa-metragem “Cinema Vale Sonhos”, de Ernane Alves, que constitui uma delicada história sobre a importância da sétima arte na formação humana. Concorrendo entre si, há 14 curtas-metragens inscritos nas categorias ficção, documentário, animação, experimental e vídeo-poema. Na Mostra Educação, serão exibidos curtas realizados por estudantes da Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte, em oficinas de audiovisual oferecidas durante o segundo semestre de 2009.

    Dedicado a todos os que querem fazer, ver e discutir cinema, o evento contribui para revelar a qualidade da produção artística mineira, estimulando, em especial, a reflexão sobre as relações entre cinema, literatura e educação, por meio de debates e mesas-redondas.

    Encerrada a Mostra Minas, os filmes que dela participam serão exibidos em centros comunitários, restaurantes populares, núcleos de apoio familiar, bibliotecas, escolas etc., com os objetivos de alcançar um público excluído desses bens culturais e, ao mesmo tempo, despertar a todos para a importância do audiovisual na formação de leitores contemporâneos.

    Para os realizadores do evento, a imagem de qualidade pode contribuir enormemente para desenvolver leituras da vida e do texto no Brasil atual, principalmente quando consideramos os baixos níveis de leitura de nossa população.

    A equipe realizadora da VIII Mostra Minas de Cinema e Vídeo conta com você na difusão das propostas de leitura dessas telas!

    Leia mais
  • 16 jun

    Desenho – CEIA realiza evento internacional sobre DESENHO

    No período de 05 a 25 de julho de 2010, o CentoeQuatro recebe o evento DESENHO.
    O evento é uma realização do CEIA – Centro de Experimentação e Informação de Arte, organizado pelo artista plástico Marco Rolla e pelo Historiador de arte Marcos Hill. “Queremos focalizar essa mídia como campo de investigação artística, estimulando interessantes estudos sobre a expressão visual. Não dá para negar a importância do desenho como base estrutural de qualquer imagem. Achamos igualmente importante propor uma plataforma que propicie experimentações entre o desenho e outras mídias contemporâneas”, explica Marco Paulo Rolla, um dos organizadores do evento.

    O evento reúne diversas atividades gratuitas como workshops, palestras, mesas-redondas e um ateliê coletivo com a participação de artistas brasileiros e internacionais provenientes de países como Argentina, Nicarágua, Egito, Holanda, França e Ilhas Comores. A proposta é promover discussões sobre a mídia desenho e suas diversas possibilidades. Para saber mais sobre a programação basta consultar o site www.ceia.art.br.

    A abertura do evento será dia 5 de julho, segunda-feira, a partir de 17h, com apresentação da performance “Desenho de Objeto” pela artista Letícia  Grandinetti (Belo Horizonte – Brasil), além da exibição de vídeos de eventos produzidos pelo  Ceia em anos anteriores, animando o encontro com os artistas participantes.

    Somente a abertura do evento será para convidados. O restante da programação é gratuita e aberta ao público.  As Palestras e mesas- redondas serão realizadas entre 07  e  23 de julho. Os trabalhos realizados no Ateliê Coletivo serão abertos ao público, de 22 a 25 de julho, das 17 às 23 horas. O objetivo é divulgar e compartilhar uma parte dos estudos e trabalhos realizados no Desenho; com a comunidade artística de Belo Horizonte e com o público em geral.

    O evento DESENHO; tem o patrocínio do Art Collaboratory e da Mondrian Founds, com apoio das seguintes instituições: Prince Claus Founds, Rijksakademie, Espaço Cento e Quatro, Centro Cultural Espanha e Coletivo Xepa.

    Sobre o CEIA

    O CEIA – Centro de Experimentação e Informação de Arte – foi criado em 2001 pelos artistas Marcos Hill e Marco Paulo Rolla, em Belo Horizonte, com o objetivo de promover atividades diretamente ligadas à criação e à divulgação da arte mais recente.

    Há quase dez anos, a proposta do grupo é desenvolver produção de conhecimento e intercâmbios de diversas naturezas no campo das artes plásticas e artes visuais, por meio de eventos internacionais com artistas de várias localidades do mundo.

    Leia mais
  • 15 jun

    “Fausto” de Goethe repaginado

    O espetáculo Fausto(s!) é uma releitura contemporânea do drama “Fausto” de Goethe, em que Fausto faz um pacto com Mefistófeles e tem todos os desejos realizados: torna-se jovem, rico e conquista a mulher por quem se apaixonou. Mas, em um momento de lucidez, o próprio Fausto questiona essa condição: “Mefistófeles criou no meu peito um fogo vivo que me atraí para todas as imagens da beleza. Assim me sinto transportado do desejo ao prazer e, em pleno prazer, anseio pelo desejo”. Na opinião desse coletivo essa é uma característica de todo ser humano: “no auge do prazer, anseia pelo desejo”, acaba de conquistar algo e já está pensando na próxima conquista. Isso é humano, embora Fausto atribua essa falculdade ao demônio, ela é humana, e é, de certa forma, o motor do mundo e ao mesmo tempo a sua maneira de auto-destruição. Nesse sentido todos fizeram o pacto e todos são Fausto(s!).

    A estratégia dramatúrgica foi partir de algumas situações sugeridas no texto de Goethe para se criar imagens cênicas que discutisse questões pertinentes ao nosso tempo. Em dado momento do texto original, Fausto questiona Mefistófoles da razão pela qual ele, um demônio com poderes sobrenaturais, perde seu tempo com uma pequena alma, um “grão de areia” em relação ao imenso universo. Diante do questionamento, Mefistófoles se declara incapaz de destruir o mundo:

    “Já desencadei sobre ele marés, tempestades, incêndios, tremor de terra: mar e terra contiuam em sossego. Do ar e da àgua, como da terra mil gérmens brotam e frutificam no seco, no úmido, no frio e no quente. Se eu não tivesse reservado o fogo para mim, nada teria de meu”.

    Novamente uma leitura de aproximação se faz possível: o demônio se declara incapaz de destruir o mundo, mas basta parar um dia para ver os noticiários, todos os problemas de aquecimento glogal, efeito estufa e poluição, para descobrir que o homem, protegido em sua insignificância em relação ao universo está fazendo aos poucos o que Mefistófoles afirma não conseguir.

    Essa possibilidade de transitar do clássico ao contemporâneo foi um dos objetivos motivadores desse espetáculo. A partir desse pressuposto a cozinha da bruxa que prepara em seu caldeirão um elixir capaz de rejuvenescer Fausto, pode ser uma clínica de reabilitação estética, um spa/academia que oferece serviços de cirurgia plástica, redução de estômago ou escova permanente. Os macacos que circundam e servem a bruxa são também os personal trainers ou enfermeiros estéticos. A intenção é passar do alegórico – personificando Deus, os anjos e o demônio em seres humanos, para chegar na resignificação desses naquilo que está contido em cada indivíduo. Assim a metáfora do bem e do mal pode não ser traduzida como a fisicalização dos seres Deus e Diabo, mas, antes disso, na constatação de que o bem ou o mal estão por ser feitos, são frutos das ações humanas.

    Uma das propostas de encenação está ligada a capacidade ‘faustica’ de sair de si mesmo para poder se enxergar, algo eminentemente existencialista, e que insurgiu a ideia de investigar a linguagem do Coro.  Como parte de um todo hegemônico o integrante do coro se manifesta criticamente em relação às ações de seu corifeu. Todos os atores fazem parte do coro,  mas todos eles tem também seus momentos como Fausto, o personagem/mito que “no auge do prazer anseia pelo desejo”,  tornando-se ao mesmo tempo crítico e autor da ação.

    Realizado com recursos do Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2009, a montagem do espetáculo Fausto(s!) reuniu um coletivo formado por artistas da Preqaria Cia de Teatro (Gabriela Domínguez, João Valadares, Kenya Goulart, Milenna Trindade, Raysner de Paula e Tacy Guimarães), da Cia do Chá de Teatro (Francis Severino, Jésus Lataliza, Luiz Dias e Sara Pinheiro) e artistas convidados (Alexandre Toledo, Amanda Prates, Joaquim Elias e Raul Belém Machado). A partir dessas parcerias, a Preqaria Cia de Teatro se propôs abrir sua perspectiva para outras formas de se fazer teatro, sem se distanciar em nada do seu campo de pesquisa: a precariedade da existência humana.

    Ficha Técnica

    Elenco: Alexandre Toledo, Francis Severino, Gabriela Domínguez, Jésus Lataliza, Kenya Goulart, Luiz Dias, Milenna Trindade, Raysner d’ Paula, Tacy Guimarães, Sara Pinheiro

    Direção e Dramaturgia: João Valadares

    Cenário: Raul Belém Machado

    Figurino: Wiliam Raush

    Iluminação: Felipe Cosse, Juliano Coelho e Vladmir Medeiros

    Montagem de Luz: Welerson Aquino (Neném)

    Assistente de Iluminação: Jésus Lataliza

    Preparação Corporal: Joaquim Elias

    Preparação Vocal / Trilha Sonora: Amanda Prates

    Coordenação de Produção: Milena Lago

    Produção Executiva: Paloma Parentoni

    Projeto Gráfico: Marcus Vinícius Souza

    Parceria: Cia do Chá

    Realização: Preqaria Cia de Teatro

    Leia mais
  • 09 jun

    “Meu amigo mais antigo” de Marcelo Xavier

    “Meu amigo mais antigo” é o livro que o escritor e artista plástico Marcelo Xavier lança no próximo dia 12, no EspaçoCentoeQuatro, Praça da Estação, a partir das 14h30, com direito a pipoca, perna de pau e muitas brincadeiras para as crianças e adultos.

    Com delicadeza, poesia e cores, Marcelo Xavier não mediu a emoção nas 20 páginas que vão surgindo aos nossos olhos numa viagem fantástica ao mundo da amizade entre o menino e o sol.  Contado em prosa e verso com pequenos textos e ilustrações tridimensionais, o livro homenageia o sol. “Ele é meu amigo e de todas as pessoas do mundo. Está presente na nossa vida até o último dia”, comenta Xavier.

    Autobiográfico, o livro cutuca a solidão das pessoas ao buscar amigos nas redes sociais e clama às pessoas a procurar os amigos reais, caminhar pelas ruas e perceber a beleza fora das máquinas. “ O amigo  serve de antídoto contra a tristeza, faz a vida ficar mais brilhante e principalmente para compartilhar o dia-a-dia. É preciso que as pessoas busquem mais o contato físico, espiritual e emocional. Sair para encontrar com os amigos, sentir os cheiros, apertar a mão, enfim, compartilhar todos os sentidos”.

    Consagrado autor e ilustrador de literatura infantil Marcelo Xavier é artista plástico, artista gráfico, roteirista, cenógrafo e carnavalesco. Desde 1978 pesquisa a criação em artes visuais, audiovisuais juntamente com projetos de cenografia, figurinos e adereços para teatro, dança, televisão e carnaval.

    Como autor e ilustrador, já publicou mais de dez livros que, unindo textos originais e ilustração tridimensional com massa de modelar, já recebeu o reconhecimento do público e os principais prêmios literários do país, como o Jabuti da Câmara Brasileira do Livro, da APCA – Assoc. Paulista de Críticos de Arte, da Associação Brasileira de Escritores, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.

    Sábado, 12 de junho de 2010
    Horário: 14h30
    Entrada Gratuita

    Leia mais