Pular a navegação e ir direto para o conteúdo


Categorias

  • Nenhuma categoria

Blog

  • 22 dez

    Gafieira acontece em mais duas edições no CentoeQuatro

    Nos próximos dias 18 e 23 de dezembro, o CentoeQuatro volta a abrir as portas do segundo andar para a boa música e para a dança. A partir de 22h, a banda Senta a Pua!, resgata a tradição das antigas orquestras com seu repertório de clássicos do choro, maxixe, samba-canção, bolero e chá-chá-chá.

    Dentro da proposta do centro cultural de ser um espaço aberto ao debate da cultura e da diversidade, o objetivo do projeto é homenagear a elegância e virtuosismo das orquestras e da dança, realizados na zona boêmia.

    O projeto, sucesso de público, aconteceu em três edições realizadas em outubro e novembro e, quem foi, entrou no clima dos clubes Montanhez, Elite e Estrela através da decoração requintada, belisquetes e drinks.

    A banda Senta a Pua! é formada por Rodrigo Torino (violão), Juventino Dias (trompete), Tiago Ramos (saxofones), Pablo Malta (cavaquinho), Maurício Ribeiro (baixo) e Gustavo Grieco (bateria) e interpreta clássicos de de Paulo Moura, K-Ximbinho, Raul de Barros, Zé da Velha e Silvério Pontes, sambas de Chico Buarque, João Bosco e Dorival Caymmi, além do samba-canção, bolero e chá-chá-chá.

    O público poderá bailar com dançarinos profissionais da Espaço de Dança – escola parceira na realização deste evento, em sistema de cartela, que será picotada a cada dança, a primeira é cortesia.

    Nos dias de Gafieira, o Café CentoeQuatro funciona normalmente no primeiro piso.

    Detalhes

    Leia mais
  • 09 dez

    Instituto João Ayres traz a banda mexicana Los Minds Laguna a Belo Horizonte no Café CentoeQuatro

    Na próxima terça-feira, 14 de dezembro, às 20:30 hs, a banda mexicana Los Mind Lagunas, se apresenta no CAFÉ 104, na Praça Ruy Barbosa. O show faz parte do projeto do Instituto João Ayres em realizar concertos intimistas de importantes nomes internacionais e nacionais. O primeiro grupo a se apresentar foi o “Paris Jazz Underground”. Sucesso arrebatador com seu jazz ousado, a casa alcançou sua lotação máxima. O objetivo do projeto é construir o diálogo artístico entre Belo Horizonte e artistas de todo o mundo que possuam uma pesquisa e uma proposta singular no processo de criação.

    “LOS MIND LAGUNAS” é uma banda mexicana de blues, funky soul & surf, cujo propósito foi aplicar diretamente ao blues os demais ritmos de origem afro- americana junto a experimentos musicais contemporâneos, desenvolvendo uma sonoridade que se diferenciaria das bandas de blues tradicionais.

    Tendo como sólida base o blues, soul, funk & surf, procuram explorar a cultura popular, tendo como referências o ordinário e o cotidiano. Integram em suas músicas e letras o humor de referências “folclóricas”, que representam elementos da engenhosidade mexicana, numa linguagem musical autêntica que não deixa para trás a íntegra essência do gênero musical que representam.

    A vontade de formar uma banda com este conceito já existia há anos. Por iniciativa de Emiliano Juárez (guitarrista) e Alfonso Robledo (baixista e vocalista), começam a experimentar gêneros e fusões musicais, que em 2009 resultou nesse incrível experimento sonoro chamado “Los Mind Lagunas”. E mesmo se tratando de uma banda relativamente nova, seus integrantes são altamente profissionais e possuem uma relevante trajetória e reconhecimento na cena musical nacional e internacional.

    “Los Mind Lagunas” também tem acompanhado a importantes artistas internacionais em turnés no México taes como: Sharon Lewis (Chicago), Robson Fernandes (Brasil), Los Reyes del K.O (España).

    Desde seu nascimento a banda caiu na estrada, realizando turnês e apresentações em distintos festivais e casas de shows em países como: México, Brasil, Argentina, Uruguai, Guatemala, Índia e Nepal.

    O trio é formado por:
    Emiliano Juárez (guitarra)
    Alfonso Robledo (baixo e vocal)
    Rodolfo Gutierrez (bateria)

    Detalhes

    Leia mais
  • 06 dez

    Duo apresenta recital de música clássica brasileira e faz palestra sobre cultura e música sérvia e brasileira

    Neste sábado, 11 de dezembro de 2010 o duo composto por Marija Mihajlovic e Miriam Bastos, com participação especial do violinista Luka Milanovic, faz apresentação gratuita e ministra palestra sobre música clássica e culturas sérvia e brasileira no CentoeQuatro.

    O duo, formado pelas instrumentistas Marija Mihajlovic e Miriam Bastos, se dedica a um projeto de pesquisa intitulado Música Brasileira e Música Sérvia para violino e piano, além disso, também interpretam obras do repertório tradicional para esta formação. Com o objetivo de aproximar o  público das obras que são ouvidas, elas apresentam a música clássica de forma didática.

    As instrumentistas possuem uma sólida formação musical, e já são conhecidas do público mineiro, Mihajlovic natural de Belgrado, Sérvia é primeiro violino na Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Miriam Bastos, natural de Belo Horizonte, Brasil, é professora na Escola de Música da Universidade do Estado de Minas Gerais.

    Através de convite feito pela Academia de Artes e Ciências da Sérvia uma das mais antigas e prestigiosas da Europa e com apoio da Embaixada do Brasil na Sérvia acontecerá a Noite da Música Brasileira com comentários que serão traduzidos para o público presente.

    Será apresentado o seguinte programa:

    :: Palestras
    Cultura e música sérvia por Marija Mihajlovic
    Exemplos folclóricos por Luka Milanovic e Marija Mihajlovic
    Josip Slavenski: Canção e Dança por Marija Mihajlovic e Miriam Bastos
    Música brasileira para violino e piano por Miriam Bastos

    :: Peças
    1. Ernst Mahle: Sonatina
    2. Claudio Santoro: Sonata Nr. 4 para violino e piano
    3. Heitor Villa-Lobos: Sonata Nr. 1, “Desesperance para violino e piano

    Detalhes

    Leia mais
  • 02 dez

    CentoeQuatro lança centro de produção e discussão de arte e tecnologia

    Após abrigar eventos que incluem diferentes formas de arte influenciadas pela tecnologia – Vivo arte.mov, Eletronika, Gambiólogos e Interactivos?, o CentoeQuatro inaugura nesta quarta-feira, 08 de dezembro o Laboratório 104, centro de produção e discussão de arte e tecnologia.

    Para iniciar as atividades do laboratório será realizada, em parceria com o Interactivos?, uma oficina ministrada pelo artista argentino Eduardo Imasaka e terá como foco a criação de aparelhos eletrônicos sensíveis. A oficina será realizada nos dias 6 e 7 de dezembro, das 14h às 18h30 no CentoeQuatro. As inscrições são  gratuitas e as vagas limitadas.

    Dentro da proposta de ser um espaço aberto ao debate, à difusão da arte e da democratização do acesso ao conhecimento, o projeto desenvolvido pelo CentoeQuatro encoraja a produção coletiva através de oficinas, cursos e palestras.

    Com a colaboração de Andrea Lanna, Dudude Herman, Leandro Araújo e Marcos Hill o Laboratório 104 pretende explorar o uso da tecnologia não somente nas mídias digitais mas também na música, no corpo como ferramenta de criação artística e nas artes cênicas. O laboratório será ponto de encontro estudantes universitários, artistas e profissionais de áreas de criação, além de estudantes do ensino médio e interessados em geral.

    Como um espaço de diálogo e de geração de conhecimento, o projeto é apoiado na tríplice arte, realidade e técnicas digitais. Leandro Araújo, esclarece a tríplice:
    “A dupla arte e tecnologia não é um conceito consolidado, ele se aproxima de outros como cultura digital, arte e novas mídias e arte cibernética. Cada um desses conceitos demarca um território que surge nos nossos dias e só é possível por causa do desenvolvimento e subsequente popularização de ferramentas de criação em meio digital, ou mais amplamente, eletrônico, e da aproximação entre essas tecnologias e a arte”, e encerra falando sobre a terceira base do programa “ o conceito de realidade, é definido aqui como a interface entre discurso e ensino face à capacidade de considerar e alterar o mundo real. Enxergar e interferir física e virtualmente no espaço urbano da região central de Belo Horizonte e nas relações sociais, políticas e culturais dos grupos participantes.”

    As atividades do Laboratório 104 são modulares e pagas, sendo que um módulo de cada grupo será gratuito e destinado a estudantes de ensino médio de escolas públicas.

    Detalhes

    Leia mais
  • 02 dez

    Como você se relaciona com sua cidade?

    De 03 a 12 de dezembro de 2010 o CentoeQuatro recebe a primeira vídeo instalação de Clarissa Campolina.

    RASTROS. a paisagem invade é uma vídeo instalação que transforma o espaço urbano em um objeto de arte e reflexão sobre o nosso estar no mundo. Transposta para o espaço expositivo, a cidade é redesenhada e temos a oportunidade de, em um lugar fechado, nos
    deparar com imagens e sensações que habitam o lado de fora.

    Os 09 vídeos que compõe a instalação revelam um olhar pessoal de alguém que habita, observa e deixa rastros pela cidade. As imagens, fragmentos de um cotidiano urbano, revelam uma cidade particular. Uma cidade que se mostra ora vazia, ora lúdica, ora delimitada por construções de diferentes épocas ou desenhada pelas sombras das árvores.

    Agora, dentro do CentoeQuatro, o espaço urbano reconstruído por sons e imagens em movimento será habitado pelos visitantes da instalação, que farão suas próprias escolhas – para onde olhar e por onde percorrer.

    A idéia surgiu ao longo das filmagem do média-metragem Notas Flanantes. O vídeo revela o processo da realizadora na tentativa de responder à pergunta: “Como é a cidade em que você acorda todos os dias?”. A obra se constrói em passeios por ruas de Belo Horizonte,
    revelando o cotidiano de lugares escolhidos ao acaso e do encontro da autora com sua própria cidade. Notas Flanantes foi exibido em importantes festivais de cinema no Brasil e no exterior. Sua estréia internacional aconteceu em agosto desse ano no 62º Festival Internacional de Locarno (Suíça).

    A instalação surge do desejo de uma maior interação do público com essa cidade imaginária, criada a partir dos vídeos.

    Clarissa Campolina graduou-se em Comunicação Social e atualmente cursa a Pós-Gradução “Artes Plásticas e Contemporaneidade”. Sócia fundadora da TEIA, desde 2002 realiza projetos autorais na área audiovisual. “Trecho”, seu primeiro curta em 35 mm, foi lançado no 39º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, onde recebeu os prêmios de Melhor Filme, Melhor Fotografia e Melhor Montagem. Atualmente, Clarissa está em fase de montagem do seu primeiro longa metragem co-dirigido com Helvécio Marins Jr, “Girimunho”.

    A vídeo instalação é uma realização de Clarissa Campolina, tem cenografia de Joana Hardy e Elena Valle e a montagem dos vídeos por Clarissa Campolina e Luiz Pretti.

    Detalhes

    Leia mais